quinta-feira, 16 de Outubro de 2014

SOM EM MIM


Percorro a noite
à tua procura...
Falo-te
por entre a chuva,
ansiosa pelo som
da tua voz em mim...
Depois...
Desiludo-me contigo
e com o tempo...

TELA DE VICTOR NIZOVTSEV

segunda-feira, 13 de Outubro de 2014

SOPHIA



Esta é a história de uma gata felpuda...
O nome é Sophia, com “ph”, por ser francesa e aristocrata. Não é aventureira e desdenha o jardim, preferindo a suavidade dos tapetes. Até que um dia, confusa com a multidão que invade a casa, os choros e os lamentos, foge para a cave e ali fica.
Nunca lá esteve; é um local escuro e com um cheiro estranho, mas sente-se segura. Não entende a comoção, não sabe ainda que o dono morreu e está sozinha. Enrosca-se em cima de uma velha manta e adormece.
Quando acorda e se aventura até lá cima, estranha o silêncio. Mia, percorre as salas vazias, à procura de comida e do dono. Mas há qualquer coisa que mudou, Sophia sente-o e entra em pânico.
Volta a percorrer a casa, à procura de uma janela, uma porta aberta para fugir para o jardim, também ele já diferente, cheio de folhas secas e relva pisada.
O que se passa? Repete Sophia incessantemente. Onde está o seu amado dono? E se saiu, porque é que não lhe deixou leite na tigela com o nome dela gravado?
Sente uma porta a abrir-se, uma chave a ser pousada na mesa e precipita-se ao encontro de quem chega. Mas a desilusão é imensa; não é o dono, é a filha do dono, vestida de preto e com os olhos vermelhos. Sophia estaca e olha-a, desconsolada. A senhora sorri e baixa-se para a afagar.

Excerto do conto escrito e publicada no Colectânea "Patas, Pelos e Penas" da Editora Pastelaria Studios

quarta-feira, 8 de Outubro de 2014

CONTOS DE PRAZER - 1ª PARTE


O SEDUTOR

Relaxo com uma chávena de café na mão.
Deixo que esse cheiro agridoce me domine e fujo da manhã cinzenta, da chuva aborrecida, do vento frio.
Não sei se estou no Brasil ou no Taiti; estou onde o sonho me leva e tudo é diferente.
Até o ritmo, o sorriso e, sobretudo, o desejo.
Esse desejo incontrolável que aprisiona os sentidos e torna a vida banal.
Apressada e insignificante! Ou talvez seja eu quem é insignificante! Não sei...
Neste momento, não penso em nada. Saboreio o café com todo o tempo do Mundo.
Sei que tenho que voltar, entrar novamente naquele escritório desarrumado e sorrir serenamente.
Como se fosse surda, imune ao veneno escondido em cada uma das palavras que ali se pronuncia.
Não conheço tais palavras; as minhas podem soar banais e frouxas, mas, pelo menos, fui eu quem as escolheu e lhes deu tempo e espaço.
Não o café; deixo que seja ele a seduzir-me, a consolar-me e até os meus segredos já lhe confessei.
Tenho pena de deixar o café barulhento, o calor humano.
Mas o sabor está ainda tatuado na boca; o cheiro entranhado nas narinas e o sonho do País quente ainda não se desvaneceu.
Perfuma-me o dia; liberta-me da mesquinhez e escrevo na mente histórias mirabolantes.
Sorrio misteriosamente; estarei louca por ler tudo isto numa chávena de café que os outros bebem para acordar?
Se estou, viva a loucura! Ainda bem que sou louco e que poucos me entendem...
Nunca serão felizes por completo, porque quem desconhece a arte de sedução, não a vê, não a sente numa simples chávena de café...está perdido!


quarta-feira, 1 de Outubro de 2014

VIAGEM

Viajo algures.
Por entre as cores do arco-íris quando tocam as ondas do mar. Ou desafiam a brisa.
Ou quando me provocam e abrem as portas ao infinito. Sem que haja um dia marcado para voltar. Porque não quero voltar; quero libertar-me do hoje...
Viajo em sonhos.
Invento Mundos; desenho-os em cores exóticas. Nas minhas cores exóticas e loucas, porque falam de luminosidade, de alma. Essa alma que sonha em mim e me dita as palavras.
Viajo em mim.
Sem limites. Sem dor. Apenas com o olhar. Ou o riso que se revela franco, cristalino como nunca o ouvi. E porque tanto anseio...
Viajo, simplesmente viajo.
Não para outro País, outro Continente. Descubro-me; penso-me sem nós que me atem, controlem.
Porque o Mundo assim escreve e eu obedeço. Sem que seja feliz...
Viajo, livre.
Posso estender a mão e apreciar a brisa, sem que me achem louca. E se for, gozo esse momento de loucura por completo...
Continuo a viajar
Mesmo quando a viagem física acaba. Viajo sem rumo, exploro o prazer de momentos perfeitos.
De páginas em branco... Que preencho devagar... A qualquer hora, com a palavra mais simples...
Poderia descrever a minha viagem à Irlanda.... Falar sobre a razão de lhe chamarem a “Ilha Esmeralda”, sobre a simpatia do povo.
Mas não diria nada de novo... Seria apenas uma descrição e viajar é muito mais do que isso.
É o que fica guardado na memória, é o impacto, é aquele sorriso que não se repetirá...
O sorriso com que escrevo agora... Porque me lembro de como fui feliz naquela semana, com aquelas pessoas, naquele País verde e molhado.
Mas é apenas um capítulo num história que ainda não tem fim.
Porque ainda estou aqui e a próxima viagem será sempre a mais importante, o fim de tudo...
Mas se acreditar que é o fim, não estarei a assinar uma sentença de morte?
Por isso vou continuar a viajar no labirinto da minha Mente.


RESPOSTA AO DESAFIO/TEMA PROPOSTO PELA EDITORA PASTELARIA STUDIOS E PUBLICADO NA COLECTÂNEA “AQUELA VIAGEM”

sexta-feira, 26 de Setembro de 2014

APAIXONADAMENTE


Meu amor,
Não sei se isto é uma carta de amor.
Aquela que nunca escrevi, porque te amei apaixonadamente.
Tão forte que até doía só de pensar em ti.
Hoje escrevo-a para me lembrar de ti.
Agora que te despediste de mim e de tudo o que fizemos juntos.
Acordo vazia; arrasto o corpo e os pés pelo tempo e penso sempre que estás no jardim e, a qualquer momento, vais entrar para beber um café.
Continuo a fazer os teus queques preferidos que ofereço ao rapaz que trata agora do jardim.
Às vezes, ele sugere plantar coisas diferentes, mas eu não deixo.
Ele abana a cabeça; deve pensar que estou maluca, senil, mas tu querias o jardim assim e se o mudasse agora, perdia-te.
A sala também está igual. Nem arrumei na estante o livro que estavas a ler e sei bem que não o vou ler.
Como poderia? Ouviria sempre a tua voz a explicar-me os detalhes mais interessantes do enredo...
Mas a loucura maior talvez tenha sido deixar o cão apropriar-se da tua poltrona. Não tenho coragem de o enxotar; sentimos muito a tua falta...
Não era isto o que queria dizer... Queria falar-te de amor, de sentidos à flor da pele. De desejo a jorrar no corpo...
Nunca precisamos de palavras para dizer como éramos importantes um para o outro. Sabíamos pelo olhar, pelo toque, pelo beijo.
Por isso, amor, não posso escrever uma carta de amor, porque sei que sabes, não podes ter esquecido, que te amei e te continuarei a amar...
Apaixonadamente, amor.
E nunca te vou dizer adeus... exactamente por isso.


Luz

Resposta a um passatempo da Editora Pastelaria Studios 
(publicado no blog da editora)

sábado, 20 de Setembro de 2014

SORRISO "EXCERTO DO MEU CONTO SOBRE CAFÉ E CHOCOLATE"


Breve introdução:
O desafio era escrever sobre Café e Chocolate.  Escrevi sobre alguém que:

"
Ok, até posso ser viciada em chocolate e café.
Até posso ter peso a mais e evitar olhar para o espelho para não me assustar com a silhueta.
Mas tens que concordar que a minha vida não é fácil e se bem que saiba que este não é o caminho correcto – comer para esquecer – o teu não é muito melhor.
Enquanto berras e dizes as maiores barbaridades, eu bebo um café. Cheiro-o, sorvo-o enquanto escuto as histórias dos outros. Há os faladores, sempre a contarem histórias inacreditáveis; outros são mais discretos, não se confessam, mas ouvem avidamente.
Naquele café, somos uma família e sentimos a falta uns dos outros. Porque a pausa para o café é sagrada – o mundo para, desaparece e a nossa vida é apenas nossa.
Mas como te vou convencer disso? Que tudo é possível e que eu sou a protagonista numa história em que decido o final. Poderá não ser o teu final, talvez não seja o meu, mas evado-me da agressividade que dizes não ter.
É mais fácil trincar um bombom e deixar que se derreta lentamente do que discutir contigo e perder a razão.
Misturo os sabores do café e do chocolate num bolo de prazer, numa aventura que ninguém compreende.
Porque acham que é um deperdício de sabores, de aromas. Mas é exactamente por causa dos sabores, dos aromas que tudo se torna mais intenso.
A minha cara parece uma lua cheia. Mas eu gosto de observar a Lua enquanto como um chocolate de leite.

De me enrolar numa manta, com um bom livro na mão e beber uma grande chávena de café com leite.
"
Nota: Este Conto está publicado na Colectânea Café & Chocolate (Pastelaria Studios)

sábado, 13 de Setembro de 2014

"ANTÓNIO SEDUZIDO" (EXCERTO DO MEU CONTO SOBRE SEDUÇÃO)


Breve Introdução:

Um desafio na aula de Português: seduzir e como seduzir. Escrever um poema que seduza o leitor.
António está pouco à vontade com o tema, pois "escrever , “com floreados” como diz, não é realmente a sua área". Mas eis que....



"O poema é curto, simples e cheio de musicalidade. É isso que intriga o António e que faz com que o volte a ler. Pausadamente, saboreando cada uma das estrofes.
Fala de amor? Amor escondido no nevoeiro? Estará o autor a falar de um amor proibido, contrariado? Proibido por quem? E porquê?
António folheia o livro, procura um outro poema que responda às questões deste.
Mas os outros poemas apenas falam de memórias de outros dias. Alguns estão carregados de uma tal dor que até o magoam.
É um poeta triste, esconde a angústia no mar, confessa-se à Lua, encontra conforto nas sombras.
Está preso a um passado que não consegue esquecer e de que fala em palavras simples, humanas.
António procura outros livros do poeta; quer ler outros poemas, saber como ele fala da sedução.
O poema não fala em sedução, mas António apaixona-se.
Deixa que essas palavras tão simples, tão humanas, o seduzam, lhe inflamem os sentidos.
Fica confuso; a mente, sempre prática, analítica, não compreende as emoções que a percorrem.
António sente-se como se tivesse perdido o controlo sobre a vida, sobre todos os planos perfeitos que delineou e pergunta-se se não estará louco.
Lembra-se do que a professora disse na aula “..seduzir o corpo e a alma.” e compreende que seduzir é ver para além do horizonte, descobrir na banalidade das coisas a cor.
No poema que escreve, António confessa-se.
Como sempre desdenhou as palavras, nunca confiou nelas...
Nunca lhes deu voz, confundiu-as...Tornou-as secas, agrestes; não lhes abriu a alma...
E, agora?
Atravessa a linha do horizonte…
Calmamente…
Abrindo a porta ao mistério e reinventando-se.
Por entre as memórias da Lua e a lucidez do Mar.
"